Preparado? Os 14 passos fundamentais para lançar o seu novo site

Já se passaram alguns meses desde que começou a planear o novo site da sua empresa. Contratou uma agência para tratar do seu design, teve um trabalho árduo para conseguir reunir os conteúdos da sua equipa, compilar tudo e passar para o novo site…

E agora que está a chegar à data de publicar o seu novo site, o que deve fazer para ter tudo pronto, para garantir uma boa visibilidade do novo site, e para, finalmente, ver a recompensa de todo o esforço?

Assegurou-se que tomou as medidas necessárias para garantir que o lançamento do novo site (seja um site de raiz ou um redesign) vai correr bem? E se há aspectos que são imediatamente visíveis, como o estilo visual ou a navegação do site, há outros que embora não sejam tão visíveis são tão ou mais importantes para assegurar o sucesso do seu novo site. Alguns destes aspectos prendem-se com a visibilidade do seu site nos resultados dos motores de pesquisa.

Antes de tornar o novo site público:

1. Faça uma auditoria de SEO

Aproveite o redesign do seu site para garantir que corrige todos os aspectos que o podem impedir de subir nos resultados do Google. Uma completa auditoria de SEO deverá assinalar todas as falhas on-site, ou seja, todas as falhas que estão relacionadas com o código e conteúdos do site. Com os resultados de uma auditoria de SEO poderá lançar a nova versão sem falhas e com conteúdos e outros elementos, que farão subir o seu site umas posições no Google. Se está a lançar um site de raiz (e não um redesign) deverá fazer este ponto após a colocação do site online. Os motores de pesquisa não indexam o seu site imediatamente, por isso ainda dispõe de alguns dias para corrigir tudo o que possa prejudicar a visibilidade nos SERPs.

2. Bloqueie a indexação do novo site até ser público

É óptimo que o seu novo site apareça no Google… mas só quando estiver online! Não se esqueça que, assim que colocar o novo site num servidor público este pode vir a ser indexado e listado pelo Google, mesmo que ainda seja uma versão para testes. Um dos erros mais comuns é usar o ficheiro robots.txt para impedir que isto aconteça. O que o robots.txt faz é dar a indicação aos motores de pesquisa que indexem ou não o site, mas isso não quer dizer que não o listem. Caso existam links que apontem para o novo site, este vai aparecer nas listas de resultados. O que deve fazer parece contraditório: indexe o novo site com o robots.txt, mas dê a indicação aos motores de pesquisa (por exemplo com META tags) que as páginas não devem ser listadas. Não se esqueça de retirar estas indicações após colocar o novo site disponível.

3. Crie e teste os redireccionamentos do site antigo para o novo

Durante o processo de redesign de um novo site é normal estarmos entusiasmados com o novo design, com as novas funcionalidades, com uma nova estrutura de informação. Não devemos, no entanto, esquecer os utilizadores que visitam o nosso site frequentemente. Estes utilizadores esperam entrar no site e continuar a encontrar o que procuram após o redesign. E, para além dos utilizadores, temos ainda os links que apontam para o nosso site. Estes links não apontam todos para a página principal, apontam para secções do site e para páginas especificas, sejam estas páginas de produtos, informações sobre a empresa ou até mesmo a página de contactos. Quando se faz um redesign ao site é normal que o endereço de cada página mude, mas é preciso reencaminhar os utilizadores e os motores de pesquisa para o novo endereço. E, de preferência, isto é feito para cada página do site… acredite, é muito mau recuperar de uma má estratégia de redireccionamentos!

4. Valide os CTAs e defina Eventos e Goals no seu site

Qualquer redesign deve ser pensado na óptica de melhorar o site existente, mas como garantir uma meta ou objectivo? Registando tudo o que acontece no seu site. Idealmente, este passo deveria ser dado com alguma antecedência para que seja possível analisar uma evolução e identificar eventuais problemas. Ainda assim, mesmo que ainda não o tenha feito, não deixe este passo fora no seu novo site. É fundamental saber como as pessoas usam o seu site, ou se um botão (Call To Action / CTA) está a converter correctamente. Embora este passo possa ser um pouco mais técnico, já há bastantes ferramentas (grátis e pagas) que o ajudam a monitorizar os passos e acções dos seus utilizadores. Alguns bons exemplos são o Google Analitycs, o MixPanel, o SumoMe ou o KissMetrics, entre outros.

5. Teste todos os formulários e pontos de contacto

É frequente encontrarmos sites que quase convertem! Isto é, que levam os utilizadores a quase preencher um formulário, ou a quase fazer uma compra. O objectivo final em optimizar o seu site (e mais concretamente o SEO do site) não é apenas ter mais visitas, mas sim mais negócios e mais conversões (excepto se o seu site monetizar através de publicidade). É importante termos mais visitantes no nosso site, e que estes passem mais tempo lá, mas o objectivo final terá de ser sempre realizar uma compra ou gerar uma lead. Como cada ponto de contacto com os seus clientes é fundamental, garanta que cada formulário no seu novo site está devidamente testado e optimizado.

6. Confirme a eficácia dos títulos e das META TAGs de descrição

Cada página do seu site poderá potencialmente aparecer nos resultados de pesquisa, por isso é importante que faça sentido e que desperte a atenção do utilizador que fez a pesquisa. Lembre-se, no entanto, que o facto de uma página aparecer no resultado de pesquisa não implica que o utilizador clique para entrar no seu site. Para tomar esta decisão o utilizador apenas vê o título e uma pequena descrição da página, no entanto, como muitas vezes o primeiro parágrafo não é um resumo correcto do conteúdo da página, convém utilizar a META TAG Description para esse efeito. O texto no título é um dos critérios para o SEO da página, e, embora o texto na META TAG Description não o seja, é fundamental para convencer o utilizador a entrar no seu site vindo de um resultado de pesquisa. Pode testar aqui a aparência de uma página nas SERPs.

7. Teste o design e o funcionamento do site nos vários ambientes

Este ponto é mais que óbvio, mas também acaba por ser muitas vezes negligenciado por falta de tempo, ou porque é cada vez mais difícil testar todas as opções de browsers em todas as plataformas e em todos os dispositivos móveis. Se olharmos apenas às opções mais normais, devemos testar nos browsers Chrome, Internet Explorer e Firefox, nas plataformas PC e Mac e nas plataformas móveis iPhone, iPad, Android (smatrphone e tablets) e Windows Phone. São cerca de 24 combinações de testes para cada página do seu site, isto se não tivermos em conta a orientação dos dispositivos móveis nem as várias versões dos browsers. Embora os testes devam ser feitos nos ambientes reais e com dispositivos reais, há serviços como o BrowserStack que podem dar uma preciosa ajuda nestes testes.

Depois do novo site ser lançado:

8. Instale um certificado SSL

A instalação de um certificado SSL faz com que toda a informação, entre o browser do utilizador e o seu site, seja enviada de forma codificada, ou seja, uma frase, uma senha ou alguma informação sensível são enviadas como sendo um conjunto de caracteres sem qualquer nexo. Quanto maior for a encriptação do certificado menos sentido fará e, por isso, mais seguro será. Em sites de comércio electrónico é frequente (quase obrigatório) usar estes certificados, mas, actualmente, é vantajoso para qualquer tipo de site, pois é um dos critérios usados pelo Google para melhorar o ranking do site, para além de transmitir uma imagem mais credível e segura. Outra vantagem de utilizar um certificado SSL no seu site é obter mais informação no Google Analytics.

9. Valide a configuração do Google Analytics e deixe uma nota

Este ponto é básico, tão básico que acaba por passar em branco para muitos Webmasters. A instalação de um software de análise de visitas faz, claro, parte dos requisitos básicos de qualquer novo site, mas não se esqueça de colocar uma nota na data de lançamento do novo site, e de preferência mantenha este hábito sempre que realizar uma actualização ao seu site. Desta forma, saberá imediatamente a causa da subida ou descida de qualquer métrica no seu site. Outro aspecto a ter em atenção, case use o Google Analytics, é actualizar o código de tracking nas suas páginas para a versão Universal.

10. Teste a velocidade do novo site

Uma coisa é testar o seu site num servidor interno de desenvolvimento, mas quando colocar o novo site num servidor público deve testar a velocidade do mesmo, simulando o uso em PCs e em dispositivos móveis. A velocidade do site é um critério fundamental não só para o SEO, mas também para que os seus utilizadores visitem e usem o seu site… ninguém gosta de esperar uma eternidade para que uma página carregue e a lentidão torna-se ainda mais penalizadora quando usamos dispositivos móveis!

11. Crie e publique o novo sitemap.xml no Google

O Google demora alguns dias a indexar o seu novo site, e embora já tenha os redireccionamentos todos a funcionar (antes do site ser lançado, conforme expliquei no ponto 3), deverá sempre publicar a estrutura do seu novo site com um ficheiro sitemap.xml. Desta forma, os motores de pesquisa conseguem ter uma melhor percepção da estrutura global das páginas e das suas prioridades, fazer uma melhor indexação das páginas de arquivo ou das páginas com poucos links na estrutura do site. Tenha também em atenção que este ficheiro deverá ser actualizado sempre que adicionar ou retirar páginas do seu site. Há várias ferramentas que criam o ficheiro sitemap.xml por si, mas o ideal é que o mesmo seja gerado automaticamente pela base de dados do site.

12. Teste todos os links

À medida que os sites se tornam maiores e mais dinâmicos, é natural que os URLs das páginas mudem ou desapareçam com mais frequência. Ter no nosso site links que apontem para um endereço que já não existe é uma falha grave no SEO do seu novo site, por isso deve “varrer” o seu site para garantir que tal não acontece. Há várias aplicações como o Screaming Frog, ou serviços online, como o BrokenLinkCheck, que o ajudam nesta tarefa, mas a correcção desses links tem de ser feita manualmente. Não se esqueça que deve corrigir não só os links internos como os externos, e, caso se aplique, substituir por novos que façam mais sentido. Este ponto deve ser validado periodicamente — pode optar por subscrever um serviço que faça isso por si.

13. Divulgue o novo site!

Agora que já afinou todos os aspectos do seu novo site, divulgue-o! Há cada vez mais canais à sua disposição para chegar aos seus utilizadores, e pode fazê-lo online ou offline. Eis alguns exemplos: faça um mailing para todos os seus clientes, parceiros e conhecidos a dar conhecimento do novo site e peça a opinião de todos; partilhe nas redes sociais um artigo no seu novo site a comemorar o lançamento e junte fotos da festa; se a sua empresa tem frota automóvel coloque bem destacado o endereço do seu site em todas as viaturas; planeie uma promoção de lançamento ou ofereça algo em troca de uma partilha no Facebook; facilite a partilha do seu site com ferramentas como o SumoMe em todas as páginas; se tem algum orçamento disponível crie uma campanha de AdWords em keywords interessantes, mas com baixa competição; inscreva o seu site em múltiplos directórios (escolha os que fazem mais sentido para o seu negócio). Estas são algumas ideias… deixo apenas mais uma sugestão: tente registar o sucesso de todas as iniciativas, porque mais tarde pode (ou vai) voltar a precisar de divulgar algo online!

14. Seja pró-activo no SEO do seu novo site

O SEO do seu site não termina com o lançamento, aliás, é aí que começa e não acaba nunca! Valide todos os aspectos que afectam a visibilidade do seu site periodicamente, porque os seus concorrentes também não estão parados. Peça pelo menos duas vezes por ano uma auditoria isenta de SEO ao seu site, para registar a evolução dos seus esforços e definir novas metas. Não se esqueça de criar conteúdos de qualidade e interessantes, que façam com que os seus utilizadores encontrem, voltem e partilhem o seu site!

2018-04-06 // SEO